segunda-feira, 19 de março de 2012

Foram dias e horas, o mais direto que se era, agora, não se entende, me pego lutando contra o místico, um cavalheiro templário, cavalgando em renas, procurando por seu nome, por dois filhos quase lançados no mercado, colocado em mãos santas, o mês nove de nossos sonhos, acabou de chegar, de me amar. Quando me alugo por alguns beijos teus, revelo a vontade, quão grande vontade, do credo, desse bobo tormento de te ter sempre por perto, nessa duzia de vidas inteiras, eu escolho o meio duma fração, três partes iguais, sementes que brotam por dentro do peito, nada demais. A mulher agora grita por meu nome, nas vozes vindas de dentro, eu escolhi, aprendi a escutá-la, e agora, os dias antes citados, se fazem, e ainda nos fazem, tudo, por, com e para ela: minha doce, louca, casada, amada nesses nove meses dum algo belo vivido, sentido, e assim, sonhado por uma eternidade, e por nós dois, não menos que desejado.

23 comentários:

  1. Achei lindo e bem profundo esse final:

    "minha doce, louca, casada, amada nesses nove meses dum algo belo vivido, sentido, e assim, sonhado por uma eternidade, e por nós dois, não menos que desejado."

    Não tem jeito... O amor é, e sempre será LINDOOOOOOOO!!!
    Boa tarde e fique com DEUS!!!

    ResponderExcluir
  2. oh hi
    thank you so much

    nice blog yourself

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, também gosto muito do blog. Sigo

    ResponderExcluir
  4. Também gostei muito do seu blog, parabéns.
    tem realmente o dom das palavras.

    ResponderExcluir
  5. adorei o teu blog :)
    sigo-te*
    segues-me também? x)

    ResponderExcluir

Divida seus carmas e palavras;